Diário | Journal

Ser Merino em Portugal

Imagem: Ancorme, via Ruralbit;

Imagem: Ancorme, via Ruralbit;

A confusão merina começou quando começamos a trabalhar sobre a análise comparativa das lãs portuguesas e termos que usávamos e ouvíamos frequentemente se misturaram com outros novos que fomos aprendendo. 
Merino, Merino Alentejano, Merina Branca, Merina Preta, Merina da Beira Baixa, merino extra, merino fino, merino médio e merino forte. O que significa cada um destes termos e qual é a relação entre eles?

Primeiro, interessa saber que a maior parte das ovelhas de tipo merino existentes no mundo não pertencem a uma única raça merino, mas sim a diversas raças locais que derivam do Merino 'original' (que se crê ter tido origem na Península Ibérica, mas há muitas opiniões e estudos com conclusões díspares), e que foram obtidas através de diversos cruzamentos. 
Uma raça é definida por um conjunto de animais com uma aparência, comportamento e certas características que os distinguem de outros animais e, por isso, apesar das ovelhas serem todas de tipo merino, tecnicamente pertencem a raças distintas. Como por exemplo, as Merino Dohne, as Merinolandschaf, as Rambouillet e muitas, muitas outras. Todas merino, mas raças diferentes.

Em Portugal, especificamente, temos três raças diferentes com a designação merina: a Merina Branca, a Merina Preta e a Merina da Beira Baixa.
Segundo o "Raças Autóctones Portuguesas", da DGAV, os ovinos da raça Merina Branca actuais são resultado de um apuramento genético efectuado com a mistura de merinos espanhóis e franceses (para serem maiores e mais rentáveis), efectuada no início do sec.XX por criadores e técnicos. É uma raça autóctone melhorada.
A raça Merina Preta pensa-se que será um descendente mais directo do Merino primitivo, que seria de origem pigmentada. E como não sofreu o melhoramento genético a que os Merinos Brancos foram sujeitos, são animais mais pequenos e rústicos. Só por isso, já têm características diferentes e são consideradas raças diferentes, apesar de, no que diz respeito à produção lanar, a única diferença registada ser a cor e o tamanho dos velos.
A Merina da Beira Baixa pensa-se que seja resultante do cruzamento do Merino Espanhol com uma raça autóctone portuguesa (há diversas teorias relativamente a qual, sendo que a maior parte se inclina para uma de tipo bordaleiro). Esta raça tem um efectivo maioritariamente branco, e é o que está descrito como sendo o padrão, que não admite animais de velo pigmentado, mas existem animais pretos que não podem ser inscritos no Livro Genealógico.
Portanto... a Merina Branca é constituída por animais brancos, mas podem existir alguns, mas muito raros, pretos. A Merina Preta tem um efectivo constituído por animais pretos que não são da mesma raça que as excepções pretas da Merina Branca. E a Merina da Beira Baixa é constituída por animais brancos e alguns, também raros, pretos, mas que nada têm a ver com os merinos brancos e os merinos pretos e que, oficialmente, nem pertencem à raça Merino da Beira Baixa.

Há ainda o termo "Merino Alentejano", que é amplamente usado por cá, mas que não é uma nenhuma raça específica, mas sim uma referência à lã proveniente das Merina Branca e Merina Preta que têm o seu solar em terras alentejanas. 

Confuso? Ainda não acabou.

Acontece que quando o Dr.Mário Morais Coelho criou o sistema de Classificação das Lãs Nacionais a ser usado pela indústria, utilizou o termo "merino" para nomear quatro das classes de lã com a espessura mais fina: as classes merino extra, merino fino, merino médio e merino forte. Mas esta classificação não tem nada que ver com as raças de onde vem a lã, apenas com a espessura das fibras.  
Ou seja, se a lã de uma ovelha Saloia, ou outra qualquer, corresponder ao diâmetro médio das fibras exigido por este Sistema de Classificação, é classificada como classe merino no âmbito da utilização industrial. 

Concluindo, dizer simplesmente "ovelha merino" não se traduz em nada especificamente, já que existem diversas raças de ovelhas de tipo merino, com características distintas. 
E em Portugal, o facto de usarmos o termo 'merino' em duas áreas diferentes (zootecnia vs indústria têxtil), para nos referirmos a duas coisas diferentes (raça vs classificação têxtil), causa confusão muito facilmente.

É isso.


Being Merino in Portugal

The merino confusion began with our work on portuguese wools, when terms we had been using for some time got mixed up with new terms we were learning.
Merino, Merino Alentejano, Merina Branca, Merina Preta, Merina da Beira Baixa, merino extra, merino fino, merino médio e merino forte. What do they mean, and how do they relate to each other?


The first thing that was important to make clear, is that most merino type sheep in the world today don't belong to a single merino breed, but to several local merino breeds that are derived from the "original merino", and that were obtained by being crossbred. So, although they are merino type, technically, they belong to different breeds. Like the Dohne Merino, the Merinolandschaf, the Rambouillet and many, many others. All merino, all different breeds.

Making the rest of the very long post short, in our country, the 'merino' designation is used for two different things, simultaneously, and that's where the confusion is born. 
First, we have three merino related breeds (Merina Branca, Merina Preta and Merina da Beira Baixa), and when we talk about wool from these sheep, we say it is 'merino wool', which is correct. But then, on our National Wools Classification system, the 4 classes that categorize the finer wools are named 'class merino', and the origin of the wool being categorized is indifferent. So, according to this system that was made with the textile industry in mind, any wool that has less that a certain fiber diameter is called 'class merino'. These classes were created only for the textile industry, and they relate with the english and french classifications systems - check the link, and you'll see the equivalences.
I don't believe, though, that a 'class merino' wool is understood, in the industry, as being 'merino' wool. But what I want to explain is that, in Portugal, using the same name, for two different things, causes a lot of confusion!