Diário | Journal

Churras. Bordaleiras. Merinas.

As 16 raças autóctones portuguesas de ovinos podem ser fundamentalmente agrupadas em três grandes grupos, que estão directamente relacionados com o tipo de lãs que produzem: Churras, Bordaleiras ou Merinas. Conhecer as características básicas das lãs produzidas por estes três grupos é uma forma muito eficaz de se ter uma ideia genérica do que uma determinada raça produz, apesar das grandes variações que podem surgir por influência de diversos factores.
A maior parte dos ovinos que por cá andam não estarão registados em Livro Genealógico (esta questão da raça e do seu significado é material para outro post), o que quer dizer que muitos ovinos não pertencem oficialmente a uma raça específica, mas a não ser que se trate de um animal de uma raça exótica, a lã que produz encaixar-se-á quase de certeza numa destas 3 tipologias.

 

CHURRAS

Podemos encontrar ovinos de tipo Churro de Trás-os-Montes ao Algarve, principalmente no interior do país. É a este grupo que pertencem 9 das 16 raças de ovinos. Neste grupo encontramos as lãs mais longas, as mais espessas, as mais rebeldes e as mais desafiantes.
As lãs churras, além de relativamente longas e espessas, são pouco homogéneas: as suas madeixas são caracteristicamente formadas por fibras distintas misturadas, em diversos graus consoante a raça e até o animal em questão (se há coisa que temos no grupo Churro é variedade!). As fibras longas costumam ser mais grossas, lisas e baças. As mais curtas, que costumam estar emaranhadas na base da madeixa, já são um pouco mais finas, macias, gordurosas e com ondulações irregulares. Esta mistura dá origem a madeixas pontiagudas ou apinceladas que são típicas das lãs churras. 

 Fazem parte deste grupo as seguintes raças:

- Churra do Minho
- Churra Galega Mirandesa
- Churra Galega Bragançana Branca
- Churra Galega Bragançana Preta
- Churra Badana
- Churra da Terra Quente
- Churra Mondegueira
- Churra do Campo
- Churra Algarvia.

Algumas imagens de ovinos de tipo Churro:
 

Ovinos de raça Churra da Terra Quente, Churra Mondegueira "Marialveira" e Churra Galega Mirandesa. (Créditos fotográficos: Dinis Pereira, António Pina da Fonseca e ACOM, respectivamente) / Churra da Terra Quente, Churra Mondegueira and Churra Galega Mirandesa are a few examples of the churra type breeds.

Ovinos de raça Churra da Terra Quente, Churra Mondegueira "Marialveira" e Churra Galega Mirandesa. (Créditos fotográficos: Dinis Pereira, António Pina da Fonseca e ACOM, respectivamente) / Churra da Terra Quente, Churra Mondegueira and Churra Galega Mirandesa are a few examples of the churra type breeds.

Alguns exemplos de lã de tipo Churro:

Madeixas de lã de Churra Galega Mirandesa e Churra Mondegueira; / Wool locks from Churra Galega Mirandesa and Churra Mondegueira;

Madeixas de lã de Churra Galega Mirandesa e Churra Mondegueira; / Wool locks from Churra Galega Mirandesa and Churra Mondegueira;

Velo de Churra Galega Mirandesa; / Churra Galega Mirandesa fleece;

Velo de Churra Galega Mirandesa; / Churra Galega Mirandesa fleece;

 

BORDALEIRAS

Os ovinos de tipo Bordaleiro espalham-se de norte a sul do país, do Minho ao Baixo Alentejo. 
Embora com grandes variações, os ovinos deste grupo produzem lãs com características intermédias entre o tipo Churro e o tipo Merino.
As suas lãs são mais compridas e mais espessas que as de tipo Merino, com um frisado visível, mas mais largo. E são mais finas e curtas que as de tipo Churro, com fibras mais homogéneas, já com alguma regularidade de comprimento dentro da mesma madeixa.

Fazem parte deste grupo as seguintes raças:

- Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho
- Bordaleira da Serra da Estrela (muitas vezes referida apenas como “Bordaleira” ou “Serra da Estrela")
- Saloia
- Campaniça.

Algumas imagens de ovinos de tipo Bordaleiro:

Ovinos de raça Saloia, Campaniça, e Serra da Estrela. (Créditos fotográficos: ACRO, João Madeira e Ruralbit). / Saloia, Campaniça and Serra da Estrela, a few example of bordaleira type breeds.

Ovinos de raça Saloia, Campaniça, e Serra da Estrela. (Créditos fotográficos: ACRO, João Madeira e Ruralbit). / Saloia, Campaniça and Serra da Estrela, a few example of bordaleira type breeds.


Alguns exemplos de lã de tipo Bordaleiro:

Madeixa de lã Campaniça; / Wool lock from Campaniça;

Madeixa de lã Campaniça; / Wool lock from Campaniça;

Velo de Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho; / Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho fleece;

Velo de Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho; / Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho fleece;

 

MERINAS

Quando falamos em Merino não nos referimos a uma raça única de ovinos, mas sim um grupo que engloba várias raças com um antepassado em comum e que produzem um tipo de lã com características semelhantes. Dentro deste grupo, no mundo inteiro, encontramos dezenas de raças de tipo Merino que se foram afastando do seu antepassado em comum através da acção do Homem, que foi desenvolvendo cada uma dessas raças para se adaptar às suas necessidades mais específicas, sejam elas ambientais ou económicas.
Os ovinos de tipo Merino distinguem-se por produzirem uma lã de fibras excepcionalmente finas, elásticas e homogéneas, com um frisado pequeno mas bem pronunciado e mais curtas que as do tipo Bordaleiro.
Em Portugal temos três dessas raças merino, concentradas maioritariamente no sul do país:

- Merina Branca
- Merina Preta
- Merina da Beira Baixa

Algumas imagens de ovinos de tipo Merino:

Ovinos de raça Merina da Beira Baixa, Merina Branca e Merina Preta. (Créditos fotográficos: Carlos Andrade, Carlos Bígares e Tiago Perloiro) / Merina da Beira Baixa, Merina Branca and Merina Preta are the three portuguese merino breeds.

Ovinos de raça Merina da Beira Baixa, Merina Branca e Merina Preta. (Créditos fotográficos: Carlos Andrade, Carlos Bígares e Tiago Perloiro) / Merina da Beira Baixa, Merina Branca and Merina Preta are the three portuguese merino breeds.

Exemplos de lã de tipo Merino:

Madeixas de lã Merina Branca; / Wool locks from the white merino breed (Merina Branca);

Madeixas de lã Merina Branca; / Wool locks from the white merino breed (Merina Branca);

Velo de raça Merina Preta; Black merino fleece;

Velo de raça Merina Preta; Black merino fleece;

/

In Portugal (and this applies to our country only), the 16 autochthonous sheep breeds are usually divided in three groups, that are directly related to the type of wool they produce: Churras, Bordaleiras and Merinas. To know the basic characteristics of the wool from each group is a very effective way of knowing what type of wool a specific portuguese breed has to offer, in spite of the big variations that can occur due to several factors.
It's also important to know that most animals are currently not registered in the genealogical book, which means they do not officially belong to a specific breed, nevertheless, the wool they produce is most likely to belong to one of these three groups.


 

CHURRAS

Churro type sheep can be found from north to south, but mainly in the interior of the country. 9 out of 16 breeds belong to this group, where we will find the longest, thickest, wildest and most challenging wools.
Churro type wools, besides being relatively long and thick, are not very homogeneous: their locks are tipically composed of different fibers mixed together, in different proportions depending on the breed and even the animal (if there's one thing we have in the Churro group that is variety!). The longer fibers are usually thicker, straight and dull. The shorte ones, the are at the base of the lock, will be thiner, softer, even a little bit ondulated and greasy. This mix, of shorter fibers at the base and longer ones, is what makes for the typical pointy locks that are so characteristic of our churro breeds.
 This group includes the following breeds:

- Churra do Minho
- Churra Galega Mirandesa
- Churra Galega Bragançana Branca
- Churra Galega Bragançana Preta
- Churra Badana
- Churra da Terra Quente
- Churra Mondegueira
- Churra do Campo
- Churra Algarvia.


*Please check images of churro type sheep and their wool in the portuguese version of the post;
 

BORDALEIRAS

The Bordaleiro type sheep can also be found all over the country, from Minho to Alentejo. Although there are big variations, within this group we'll be able to find wools that are a middle ground between the Churro and the Merino.
Their wool will be longer and thicker than that of the Merino type, with a defined, but larger crimp. And they'll be thinner and shorter that the Churro type, with more homogenous fibers, with regular length within the lock.

This group includes the following breeds:

- Bordaleira de Entre-Douro-e-Minho
- Bordaleira da Serra da Estrela (also known as “Bordaleira” or simply “Serra da Estrela")
- Saloia
- Campaniça.


*Please check images of bordaleiro type sheep and their wool in the portuguese version of the post;

 

MERINAS

When we use the term Merino, we're generally not referring to a specific sheep breed, but rather to a larger group that includes several breeds with a common ancestor and that produce wool with similar characteristics. Within this group, in the whole world, there are several merino type breeds that were developed by humans to serve several specific purposes.
The Merino type sheep are known for producing a exceptionally thin, elastic and homogenous wool, with a small and very well defined crimp, with shorter fibers that the Bordaleiro type sheep.
In Portugal, we have three Merino type breeds, located mainly in the south of the country:

- Merina Branca
- Merina Preta
- Merina da Beira Baixa

*Please check images of merino type sheep and their wool in the portuguese version of the post;