Diário | Journal

Aprender a desenrolar casulos com a D.Teresa Frade

No ano passado achei-me com uma caixa cheia de casulos resultantes da nossa criação sem fazer ideia de como é que havia de extrair o fio de seda.
Nos dias que correm, em Portugal, não é propriamente fácil encontrar quem nos possa ensinar a fazer algo tão específico. A pequena unidade de produção que existia em Freixo de Espada-à-Cinta já fechou há muito e, apesar de ainda existir quem o saiba fazer por lá, os contactos que fizemos não surtiram efeito e eu já tenho experiência suficiente para saber que o conhecimento só é bem passado à geração seguinte quando há gosto em fazê-lo.

Ao mencionar esta dificuldade à Isabel e à Guida, elas lembraram-se de um certo filme em que a protagonista, que produzia seda na zona de Castelo Branco, falava com as lagartinhas com muito carinho.
Esse filme era o documentário realizado pela Catarina Alves Costa em 2003, chamado "A Seda é um Mistério", e a protagonista é a D.Teresa Frade, que até há bem pouco tempo produzia não só a sua seda, mas também o seu linho ("O Linho é um Sonho" é o outro filme da Catarina com a D.Teresa). 

Depois de uma breve pesquisa, consegui entrar em contacto com um grupo de professoras da Escola Superior de Educação de Castelo Branco, que têm levado para a frente actividades e investigações relacionadas com a Seda (entre outras) no Centro Ciência, Tradição & Cultura e que rapidamente me marcaram um encontro com a D.Teresa para que eu pudesse aprender a desenrolar os benditos casulos.
Sem as professoras Helena Tomás, Paula Péres e Margarida Afonso, nada feito!

Aprender a desenrolar casulos é algo que eu já queria aprender há muito tempo, desde que vi a Susana a fazê-lo em Freixo. Não é preciso explicar porquê, é simplesmente fascinante!
Quando falei com a D.Teresa ao telefone, para lhe explicar que andava à procura de alguém que me ensinasse a desenrolar os casulos, ela limitou-se a responder: "Então, ensino-lhe eu!". Perfeito.

Por isso, em Outubro, lá fui a Castelo Branco conhecer a D.Teresa e aprender um pouco com ela.
O método é semelhante ao que já tinha observado, mas desta vez pude aprender mais sobre os pormenores que fazem toda a diferença para que o trabalho corra bem.
Não é difícil desenrolar os casulos, mas é difícil desenrolar bem, controlando a espessura do fio que estamos a enrolar no sarilho (que é composto por vários casulos), sem que fique demasiado grosso nem parta.
O processo tenho de o descrever num post à parte, porque tem que se lhe diga e este já vai longo.

Hoje queria falar da D.Teresa porque uma das coisas que sempre quis fazer foi tornar acessível a informação que está encerrada na experiência destes artesãos que vou encontrando, principalmente de ofícios que, continuando a ser relevantes, são cada vez mais difíceis de encontrar.
Apesar da D.Teresa não gostar nada de viajar, conseguimos convencê-la a vir ao Porto no próximo dia 11 de Junho, fazer demonstrações (da parte da manhã) e dar uma excepcional Oficina Prática de Extração e Lavagem de Seda (da parte da tarde), com lotação limitada a 10 pessoas, que vai decorrer na Quinta de Serralves.
Na verdade, todo o dia será dedicado à produção de seda, com bichos-da-seda, ferramentas, material pedagógico, bem como imensos casulos para fazer experiências e aprender sobre a produção de seda, mas os ensinamentos da D.Teresa são um ponto alto!

A descrição da oficina está aqui, bem como a informação necessária para fazer a inscrição, que em breve também estará actualizada no site de Serralves.


Learning to reel cocoons with Teresa Frade

Last year I found myself with a box full of cocoons and no idea at all on how to reel them into yarn.
It's not exactly easy to find someone to teach you this technique, in Portugal. The small production unit that existed in Freixo de Espada-à-Cinta had closed long ago and although there is still people that know how to do this over there, my attempts at finding someone came out empty.
I was talking about this to Isabel and Guida when they mentioned a short film they had seen in which the lady featured, that produced silk in Castelo Branco, talked to her silkworms as they were their kids.
That film was a documentary called "Silk is a Mistery", directed by Catarina Alves Costa in 2003 and the lady in it was Teresa Frade, that up until not long ago bred her own silkworms and grew her own flax ("Flax is a Dream" is the other documentary featuring Teresa, also directed by Catarina).

After a little research, I found a group of teachers in Castelo Branco that run the  Centro Ciência, Tradição & Cultura, in which they develop several activities and training related to several crafts, including silk, and short after I had a meeting set up with Teresa to learn to reel cocoons.

Learning to reel cocoons is something I had been wanting to learn for a long time, ever since I saw Susana doing it in Freixo. Long explanations are not needed, it's simply fascinating!
When I talked with Teresa to explain her that I was looking for someone to teach me, she quickly answered: "I'll teach you, then!". Perfect.

Last October, there I went to Castelo Branco to learn a little bit with Teresa and get our silk done.
The method is similar to the one I had seen, but this time I had the chance to try my hand at it and learn about the details that make all the difference.
Reeling cocoons is not difficult, but it takes experience to do it well, controlling the thickness of the yarn (which is composed by several cocoons), without it being to thick or breaking.

But today I wanted to talk about Teresa because one of the goals for my work is to make available the know-how that is enclosed in the experience of these crafstmen and women that I keep meeting.
So I'm happy to announce that although Teresa does not enjoy traveling at all, after much effort, we were able to convince her to come up to Porto, the next 11th of June, and teach a unique Silk Reeling and Washing workshop at Serralves Farm!
The whole day will actually be devoted to silk production, with silkworms, several tools, materials, demonstrations and experiments, but this will be a highlight in the day.

The description for the workshop is already up on the site and the registrations are open: it will be limited to 10 people. This information will also be soon updated in Serralves website.