Diário | Journal

Aquisições recentes

Os livros que procuro têm sempre um cariz mais técnico e prático, do que histórico ou etnográfico, o que faz com que sejam sempre mais complicados de encontrar. Mas nos últimos tempos vieram parar-me
as mãos uns quantos que têm a ver com temas que ando a investigar. Uns procurados activamente, alguns oferecidos e outros encontrados por acaso - o universo providencia.

O Linho para Fibra: Sua Cultura (1944)
Este pequeno livro é da autoria do Engenheiro Agrónomo Flávio Martins e foi editado pela EFANOR. Só há umas semanas e depois de encontrar este livro é que vim a saber quem foi Flávio Martins, e o seu papel na investigação do cultivo e processamento do linho enquanto fibra têxtil. Este livro tem como público-alvo os agricultores que, na altura, eram contratados pela EFANOR para cultivar o linho que depois ia ser processado nesta indústria na Senhora da Hora. Contém, por isso, a informação bem estruturada e comunicada de forma acessível, mas só relativa à escolha das variedades a usar, até à colheita do Linho, passando pela sementeira, possíveis patologias da planta, etc. Não se debruça sobre o processamento da própria fibra, porque isso era o trabalho que se fazia precisamente na unidade da EFANOR, claro.

Cultura do Linho: Conselhos aos Lavradores (1950)
Também da autoria do Eng. Flávio Martins e editado pela EFANOR. O conteúdo é muito semelhante ao anterior, mas um pouco mais extenso e com imagens. Este foi-me oferecido pelo Eng. António Fernandes da Silva, autor do estudo sobre a utilização do Linho no Artesanato de que falo a seguir. 

O Linho Têxtil para Artesanato (Junho 1994)
Este estudo foi-me oferecido pelo autor, o Eng. Agrónomo António Silva, num encontro nosso há uns dias. Muito informativo, porque se debruça sobre um tema que me interessa bastante, que é o da optimização do processamento da fibra, enquanto processo semi-artesanal ou semi-industrial, capaz de ser levado a avante por indivíduos ou pequenas unidades independentes da produção industrial. 


Cartilhas do Lavrador nºs 49 e 50 - Cultura do Linho (1933)
Este encontrei-o quando fui a um alfarrabista comprar de propósito o da Classificação das Lãs Nacionais, e trouxe-o simplesmente porque era uma pechincha. Não estava à espera de muito, porque faz parte de uma colecção periódica que, sinceramente, podia muito bem ser superficial e generalista, mas surpreendeu-me. A verdade é que me tinha esquecido que este tipo de informação só degenerou a partir dos anos 60/70, quando passou a ser mais "infotainment" que outra coisa, e este número das Cartilhas sobre o linho, que é bem anterior a isso, contém informação prática muito pormenorizada sobre todas as fases do cultivo e processamento do Linho.

O Linho em Portugal (1943)
Publicado pela Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, e tal como o título indica, é um estudo sobre o estado da cultura do Linho para fibra têxtil na altura e considerações sobre a sua viabilidade no futuro, incluindo o cultivo de variedades estrangeiras de maior rendimento e melhorias no processamento industrial. Este livro tem uma coisa muito interessante para mim, que é o levantamento rigoroso, distrito a distrito, da variedade de linho que se cultivava, com que finalidade, rentabilidade, destino da produção e até os porquês das preferências de cada variedade.

Tecnologia Tradicional Portuguesa - O Linho (edição de 1978)
Este não precisa de muitas apresentações. É bastante conhecido e referenciado, mas de todos, para mim pessoalmente, talvez seja o menos útil. Não lhe retiro a importância que tem para estudos de tipo etnográfico, mas os relatos dos costumes sem se tentar perceber as razões que levam a fazer a sementeira de uma determinada forma ou a curtimenta de outra, deixa-me sem resposta às perguntas que procuro ver respondidas. Mas isso não é problema do livro, eu é que tenho objectivos diferentes.

Classificação das Lãs Nacionais (1947)
Aprendi no livro "Raças Autóctones Portuguesas", que recomendo vivamente, que a Classificação das Lãs Nacionais utilizada hoje ainda é a do Dr.Mário Coelho Morais, e que está definida nesta publicação que tive a sorte de conseguir encontrar cá no Porto. O livro tenta categorizar as diferentes lãs nacionais, para que se possam definir as suas características têxteis, mas tendo como finalidade o processamento industrial. Estávamos nos anos 40 e as necessidades de categorização eram diferentes das que vejo agora, claro, mas este documento é-me bastante útil ainda assim.

Cartilha de Tosquia Mecânica (3ªedição de 1979)
Uma espécie de reformulação e upgrade à clássica Cartilha do Tosquiador, mas esta dedicada à tosquia feita com máquina e não com tesoura.


Recent acquisitions

You will excuse me for not translating this post completely, but this is all about recent books about linen and wool, that I have found, and that are exclusively written in Portuguese.
Most of them are about growing flax, and the last two are about wool classification in Portugal and a small handguide to machine shearing.
I'm a collector for this kind of books that contain important technical information, which are more difficult to find written in portuguese, than in english for example. Most of them were written before the 1950's, when books about this kind of subject were actually well written and useful, in a general way, so I like to share this findings.